Artigo Literário: Ser um Escritor

por mattsantiago

A verdade sobre escrever e publicar um livro

Pode ficar tranquilo, meu caro leitor. Este texto é motivacional. Você vai entender o que é o autor e o que é o livro. Vai entender o que é a narrativa e o que é o tal do mercado editorial.

Um livro é uma forma de registrar uma história. Mas o que é uma história? Veja, narrativas são hoje o que sempre foram desde os Antigos Tempos: formas de contar um mito. Na antiguidade havia Prometeu, aquele que roubou o fogo dos deuses e trouxe aos homens; havia Siegfried, aquele que atravessou o círculo de fogo e matou o dragão para salvar a bela Brumhilde; Ísis, a deusa que precisou enfrentar uma jornada para salvar o esposo Osíris que foi enterrado vivo num sarcófago e jogado ao Nilo; Jesus Cristo, aquele que se entregou à cruz de bom grado para redimir o pecado original da humanidade.

E hoje?

Hoje existe Goku, aquele que veio do planeta Vegeta para destruir a Terra, mas bateu a cabeça, esqueceu sua missão e se tornou protetor do planeta. Hoje existe Luque Skywalker, aquele que adentrou o Universo para encontrar-se com seu destino jedi e resgatar a princesa Leia. Hoje existe o Homem de Ferro, que depois de quase morrer nas mãos de terroristas, usou sua inteligência para construir a Mark-1 e se libertar. Hoje existe o misterioso “V” de V de Vingança que enfrentou a ditadura inglesa de Adam Sutler e entregou-se à morte para começar um novo amanhã – ao explodir o Parlamento.

Os mitos são ecos das primeiras histórias

Mas por que alguém se daria ao trabalho de contar uma história? Qual é o motivo de tudo isso? Simples. Elevar o espírito humano a Deus. Quando digo Deus eu não falo sobre um personagem específico ou uma máscara. Essa máscara costuma ser YHWH ou Jesus Cristo, Alah, Xangô ou Cernunnos. Também não falo de algo literal, como se fosse um ser vivo separado do homem. Na verdade a palavra “Deus” é uma forma de explicar aquilo que não pode ser alcançado pelas palavras: a essência da vida e da morte. O “Eu” nas profundezas do inconsciente.

Mito é isso. O ritual religioso é só uma vivência do mito. Veja a missa, a Páscoa, a Folia de Reis, o Sabat judaico, o Ramadã, o Samhaim. São formas de viver o mito descrito nas Escrituras ou na oralidade (que chamam de Tradição). Mais do que escutá-lo, são maneiras de deixar a narrativa penetrar na alma. Esse mito tem um poder incrível, ele leva as pessoas ao êxtase, leva à epifania, ao auto-conhecimento. Quando o homem se encontra consigo mesmo ele aprende a amar seu irmão, a natureza, a vida e a si mesmo.

Então, o que é a narrativa?

É uma mensagem que você encontra numa garrafa, na praia, trazida pelo mar. Ela narra de uma forma simbólica o caminho para encontrar o Elixir. Foi lançada ao mar por aqueles que já atravessaram o caminho e já encontraram a Essência da Vida e da Morte. Esse sábio que lança suas histórias ao mar é o que hoje chamam de Escritor. Ele é uma versão moderna dos primeiros Xamãs, ou Pajés, que transmitiam o mito ao povo e ensinavam o caminho para o auto-conhecimento.

Como ser um escritor?

Você vai ter que adentrar seu próprio caminho para encontrar essa Verdade que as palavras não alcançam. Quando você encontrar essa Verdade, o Elixir, vai bebê-lo e tornar-se imortal. Depois vai pegar um papel, um carvão e registrar o caminho através da narrativa. Colocar o papel numa garrafa e lançá-la ao mar. Aqueles que lerem sua mensagem vão sentir um impulso feroz para buscar o mesmo Elixir que você encontrou. Sua narrativa servirá como inspiração e guia.

Mas o caminho é único para cada pessoa. O leitor vai aprender o caminho que você registrou, depois vai procurar o próprio caminho. Como relembra a filosofia do Bushido, a arte Samurai, e do Livro dos Cinco Anéis:

Os homens devem moldar seu caminho. A partir do momento em que você vir o caminho em tudo o que fizer, você se tornará o caminho.

Como Escrever um Livro?

Livro é só um conjunto de palavras escritas. Pode ser uma forma mais ampla de escrever aquela mensagem da garrafa. Seja um conto, um livro, uma novela, um blog, um vídeo no Youtube, um micro conto, um conto de celular, o conteúdo é bem mais importante que a forma. As antigas taboas de argila que usavam para escrever, as fitinhas de bambu dos chineses, as paredes das pirâmides do Egito e as pinturas nas cavernas do Paleolítico não são histórias. São registros das histórias.

E o mercado editorial?

O Mercado Editorial é só um grupo bem grande de pessoas que estão procurando o Elixir, a Plenitude, o Auto-conhecimento. Pessoas que querem – e precisam – morrer para uma vida arruinada pela tecnologia, stress, doença, para renascerem plenas de vida. Chamam esse grupo de demanda. Depois tem o produto, que é a narrativa (não o livro). Esse produto é a oferta. Mercado editorial é uma forma de compra e venda de mensagens engarrafadas. Sei que é triste ter que pagar mais de R$30,00 por uma coisa que durante muito tempo foi transmitida gratuitamente pela oralidade. É o Capitalismo. Mas um bom autor está muito além desse sistema mesquinho de publicidade, compra e venda de livros e contagem de palavras para ganhar mais dinheiro. Um bom autor está consciente da importância divina de uma obra de ficção. É esse autor que tem o poder de mudar o mundo.

**

.
 Licença Creative Commons
Artigo Literário: Ser um Escritor de Matheus Santiago é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.Baseado no trabalho em https://mattsantiago.wordpress.com/2013/10/10/como-ser-um-escritor/.
Anúncios