Artigo de Opinião: A Decadência de São José dos Campos e a Conurbação com São Paulo

Poluição e a péssima qualidade de vida na capital são avisos de um futuro sombrio aos Joseenses

São José dos Campos cresceu descontroladamente nos últimos cem anos. Novos bairros aparecem todos os anos nas periferias e no distrito de Eugênio de Melo. Já vemos claramente um processo de conurbação entre as cidades de Jacareí, São José dos Campos, Caçapava e Taubaté. Os índices de violência em Jacareí comprovam que a conurbação está chegando à megalópole da grande São Paulo. Ao analisar o exemplo da nossa vizinha paulista, percebemos que está na hora de parar de crescer.

São Paulo é hoje a maior e mais rica cidade do país, mas riqueza não é sinônimo de qualidade de vida. A poluição do ar na capital mata duas vezes mais pessoas do que os acidentes de trânsito ao longo do ano. No inverno o Rio Tietê solta uma espuma envenenada branca (ao contrário da crença popular, aquilo não é sabão). Pesquisadores publicam números de grandes quantidades de chumbo e mercúrio no rio. Quem passa perto do Tietê sente a poluição pelo cheiro podre (principalmente em dias quentes). A poluição sonora também é crítica: em São Paulo o stress provocado pelo ruído é o terceiro maior responsável por doenças do trabalho  e está acima do permitido por lei .

Essas mortes e doenças físicas e mentais causadas pela urbanização em São Paulo são um alerta para a população e o governo de São José dos Campos. A Capital do Vale mantém um ritmo frenético de crescimento desde a década de 1920; agora a natureza reclama contra a urbanização estúpida: as queimadas, que são a maior fonte de poluição da cidade e a degradação do banhado se unem ao trânsito em constante crescimento e carregam o ar com partículas poluidoras.

Os residentes de São José dos Campos e principalmente a prefeitura precisam agir agora, ou a cidade mundialmente conhecida por seus “ares generosos” vai começar a envenenar a população com monóxido de carbono e enxofre. A necessidade é simples em sua essência: colocar sobre controle a urbanização e preservar a natureza nativa como se a vida das pessoas dependesse disso (óbvio). Resolver de uma vez por todas o desrespeito pela reserva ambiental e esses loteamentos irregulares. Claro que os políticos devem dar o exemplo, coisa que nem mesmo a família do Vice de SJC, Dr. Itamar Coppio do PMDB foi capaz de fazer. Vou lembrar dessas denúncias na próxima eleição, viu? Senhor vice-prefeito.

Também é preciso impor uma multa – e fiscalização decente – para crimes como queimar lixo em terrenos baldios e jogar lixo na rua. São José dos Campos arrecadou mais de R$11 milhões em multas de trânsito no ano de 2012. Por que nunca fizeram uma multa (que funcionasse na prática) para o cidadão poluidor? E por fim, vamos reconstruir a natureza que a urbanização matou e despoluir o rio que deu vida à cidade, o velho Parahyba do Sul. A saúde de cada cidadão Joseense depende de nossa ação, para hoje e para o amanhã.

***
 
Licença Creative Commons
Artigo de Opinião: A Decadência de São José dos Campos e a Conurbação com São Paulo de Matheus Santiago é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://wp.me/p3Zumw-1n.
Anúncios